INFERNO ASTRAL


Thomás está vivendo um inferno astral.

O amor de sua vida o trocou por outro.

E mesmo não estando feliz com este, ela prefere ficar como está, a voltar para os braços do ex-amado.

O trabalho como barman começa a cobrar seu preço.

O patrão já não está mais feliz com seu trabalho.

Os colegas começam a isolá-lo.

Thomás já não dorme; apaga.

Até mesmo suas ereções estão por conta própria: elas vêm quando ele menos espera. E vão, quando se mais precisa.

--

É noite de sábado.

E parece bastante promissora, quando três lindas mulheres, em horários diferentes, adentram o Bar.

Elas observam Thomás. Sorriem para ele. Procuram-no.

Mas nunca acredite que terá vencido... até vencer!

O balcão de um bar é, ao mesmo tempo, uma grande oportunidade de conhecer belas mulheres, assim como lhe tira da disputa de investidas de outros homens.

Enfim, as três mulheres acabam indo, acompanhadas. E Thomás, preso atrás do balcão, não pode fazer nada, a não ser servir suas bebidas e esperar por um novo round.

Sim, seu inferno astral se faz presente.

Mas...

 - Thomás..? - ele ouve seu nome, numa voz de mulher.

Leva alguns segundos para relembrar quem é a dona daquele rosto.

"Barbara?" ele pensa. E sorri.

vem aí

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ELLEN ROCHE COMO LARA CROFT

A ARTE DE JOSÉ LUIS GARCÍA-LÓPEZ

ME SENTINDO COMO VAL KILMER - 2