O FIM DO BIGORNA?


   Recebi com certo lamento, a notícia de que o site Bigorna está com suas atividades suspensas, desde o último 29/5.

   E por que?

   Primeiramente porque o Bigorna, nos últimos tempos, era gerido por um cara envolvido até o talo na produção de quadrinhos, já publicou em várias editoras, tem personagens marcantes, venceu uma dezena de prêmios Ângelo Agostini de melhor chargista - até fez um mêa culpa sobre isso.

   Estou falando de Marcio Baraldi.

   Nunca o encontrei pessoalmente e também se muito, trocamos um par de emails.

   Mas é um cara por quem nutro uma genuina amizade. Por ele, Baraldi, e também por outro camarada, que havia deixado o site há aproximadamente um ano, Humberto Yashima.

   Conheço Humberto, pessoalmente inclusive, há três anos. E Humberto é um cara engajado, tanto quanto Baraldi, com o único diferencial que ele concentra seus esforços nos bastidores. Sempre parceiro de Eloyr Pacheco - na extinta Brainstore, no Bigorna e agora, no Centro Cultural Eloyr Pacheco - Humberto batalhou bastante também pelo sucesso do site.

   Eu não poderia deixar a oportunidade de lamentar - e agradecer toda a gentileza que eles sempre tiveram comigo e com minhas HQs - o encerramento desse veículo, que como o próprio Baraldi diz, em seu release, criou uma linguagem própria, para um público diferenciado, longe das bajulações e de trocar divulgações por gibis ou empregos. Ao menos até onde eu sei, ehehh.

   Bigorna também criou uma premiação própria - lembro-me que o amigo Francinildo Sena chegou a levar como melhor roteirista, o que é merecido. Afinal, Crânio, seu personagem mais famoso, está aí até hoje, com histórias inéditas e lutando por espaço, com mais afinco até do que uma Velta, por exemplo, que estagnou lá atrás nos anos 70.

   Uma das razões alegadas por Baraldi, é que o mercado de quadrinhos brasileiros, já não existe há muito tempo. E nisso concordo com ele. Não existe. E ninguém se importa. Muito menos as editoras.

   O que fazer? Tentar mostrar a elas que é possível investir, que há projetos e personagens com potencial para isso. Mas para isso, precisamos mostrar esses projetos e personagens. E aí, fica difícil, né? Respondo: fica sim.

   Mas vamos tentar.

   Para ler a carta aberta de despedida do Bigorna, clique aqui.

   E quem sabe, num futuro próximo, o site não possa estar de volta?

   De público, eu gostaria de indicar um cara foda para ser colborador: Edvânio Pontes. Edvânio escreve como ninguém sobre qualquer coisa. Fica a dica.

   De qualquer forma, reservo um minuto de silêncio pela morte de mais um espaço para as HQs.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BANSHEE

QUADRINHOS BRAZUKAS

QUEM SÃO OS TERRY GILLIAMS DO MUNDO?