NÊMESIS


Há situações engraçadas em nossas vidas.

E há também as embaraçosas.

Lógico, não estou falando nenhuma novidade até agora. E provavelmente, muito em breve, sua paciência irá se encerrar comigo e você mandará o Plano - B para pqp.

Ok.

Só para te situar, eu tenho uma moto. Realmente, ela ainda não é minha - estou pagando - mas sou eu quem a usa.

Fui trocar o óleo de minha motocicleta, num estabelecimento específico, e me deparei com uma discussão muito da surreal.

Um homem evangélico num embate moral com uma senhorita católica.

Tudo porque na camiseta dela estava escrito "peça à mãe que o filho atende."

Veja, não estarei aqui criticando religião. E sim ideologias.

Quer dizer, a minha realidade [fé, gostos pessoais, opinião, interesses] é mais correta do que a sua? E assim seguimos adiante?

Atropelar os outros com nossos ideais é a estratégia mais acertada na hora de "convencê-los" de que  "nosso caminho" é o melhor?

Ao final da discussão, o velho homem saiu com um verdadeiro "owned" [linguagem de internet], já que ele havia abordado a moça por causa de sua camiseta.

Ele então falou: - Eu não quero discutir com você; e sim com um padre.
Ela emendou: - Mas foi o senhor que veio falar comigo!

E ele se viu forçado a ficar quieto.

Às vezes, na nossa ânsia de mostrar o nosso trabalho/ideal/filosofia, nos esquecemos de que do outro lado, há pessoas, tão pensantes, idealistas e interessantes quanto nós.

E isso se exemplifica aos quadrinhos também. Você provavelmente já recebeu "pedidos" de votos para  artistas em premiações. Seria esse o método ideal? Uma abordagem [in]direta tentando te fazer se convencer a ir para o lado que que os "convidantes" te levarem?

Pense nisso.

Forçar uma verdade talvez seja uma grande mentira.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ELLEN ROCHE COMO LARA CROFT

A ARTE DE JOSÉ LUIS GARCÍA-LÓPEZ

ME SENTINDO COMO VAL KILMER - 2