LOST - O FIM

Tentarei não revelar nada muito importante pro caso de você não ter assistido ainda. Mas de qualquer maneira, prossiga por sua conta e risco...


Assisti às seis temporadas de Lost numa pancada. Dia após dia, ia tentando encontrar respostas para as muitas perguntas que a série jogava pelos capítulos.

Assim como meu amigo Edvânio Pontes e o pessoal do Melhores do Mundo, gostei muito das duas primeiras temporadas. A primeira foi muito excitante; a segunda conseguiu superá-la. E com um esquema até simples: pegaram quarenta e tantas pessoas e jogaram-nas numa ilha misteriosa após um acidente de avião - que se despedaçou em pleno ar. E esses quarenta e tantos estranhos tiveram que se relacionar entre si num ambiente hostil durante a primeira temporada. E eles não estavam sozinhos naquela ilha.

E na segunda? Bom, descobrimos que mais gente sobreviveu. E essa outra dezena de pessoas caiu um pouco mais longe. E os vemos fazerem o trajeto até os dois grupos tornarem-se um. Além disso, temos várias inclusões, como uma escotilha e um personagem, que acho o mais fascinante de todos: Desmond.

O mais interessante é que frequentemente alguém levantava a questão sobre estar perdido [Lost, em inglês - Are you Lost?].

A partir da terceira, novos desafios, a presença de ameaças realmente mortais e até a inclusão do que parecia o arquivilão da trama. Tudo levava para a ficção científica. O personagem de Desmond manifesta certas "capacidades" que deixam as situações inusitadas.

A quarta temporada, curtíssima, mas muito interessante, joga mais personagens, mistérios e uma nova ameaça ao molho. Muitas perguntas, poucas respostas.

Na temporada seguinte, pra mim, a pior de todas, com muitas mudanças de planos e uma jornada ridícula ao passado, com uma trama nada a ver, que, com um subterfúgio de tentar explicar, na verdade só serviu para entediar os telespectadores.

E a última começou muitíssimo bem, com tudo certo para um final arrebatador com um grande vilão e amaeças dignas de uma boa aventura.

Mas... Lost terminou deixando um ponto de interrogação. Sim, apenas um a meu ver, porque se aquele era o fim planejado, então, tudo o que aconteceu anteriormente deixou de ter significado.

Particularmente, eu não ligava muito para essas questões: "o que é a Ilha?", "quem é Jacob?", "Homem de Preto?", "por que Richard não envelhece?", "quem são os Outros?"... mas acho que esse foi um molho muito bem feito e jogado conforme as temporadas iam passando. Pra mim o maior erro de Lost eram os personagens. Acertaram em alguns [Jack, Eko, Charlie, Ana Lucia, Miles, Daniel, Desmond], erraram em outros [Kate, Locke] deixaram outros ainda crescerem mais que a história [Sawyer] e cometeram a heresia de amolecer o que parecia ser o grande vilão por trás de tudo. E não há nada mais patético que um vilão fraco - quem disse isso foi Russell Crowe.

Ao final, tudo o que veríamos dos personagens também perde o efeito.

A batalha final foi ridícula, digna de Missão Impossível III. Pra você ter uma ideia, tudo conspirava para algo nunca visto. O grande vilão, o "mal encarnado", como alguns ali disseram estava frente àqueles que teriam que detê-lo para manter o status quo. Desmond, que era uma espécie de arma-secreta estava ali também. Tudo conspirava para um desfecho eletrizante. Mas... uma luta fraca, com um vilão que, de ameaçador passou a ser canhestro, e Desmond que parecia ter tanto potencial até mesmo para destruir a ilha, foi tragado pelo roteiro aparentemente apressado.

E o epílogo totalmente fora do contexto.

Pra mim, Lost sofreu do mal de Matrix. Os criadores tinham um belo início, mas nada de final. Aí tiveram a brilhante ideia de encher linguiça com os coadjuvantes que caíram no gosto do público. Com isso, afastaram seus protagonistas e a série perdeu o rumo. Quando tentou recuperar o tempo perdido, escolheram o caminho mais curto, o do final anticlímax. E com isso, tudo perdeu a graça.

Talvez os mais perdidos mesmo foram os roteiristas da série. Mas nisso estou sendo maldoso.

E sei lá, mas acho que por ser algo nunca visto, um fenômeno da tv mundial e ficará eternizado por mexer com a imaginação de tantas pessoas, é imperdoável uma conclusão dessas...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A ARTE DE JOSÉ LUIS GARCÍA-LÓPEZ

ELLEN ROCHE COMO LARA CROFT

ME SENTINDO COMO VAL KILMER - 2