PROMESSAS DE UM CARA-DE-PAU

Kevin Costner sempre foi americano. No amplo sentido da palavra. Se você assistiu (e caso não, não perdeu nada) O Mensageiro, viu que no final, ele diz: “eu acredito nos Estados Unidos da América”. Então, quando a América mergulha em seu momento mais difícil, seria impossível ele ficar inerte.

 

Mas Promessas de um Cara-de-Pau não é um filme sério sobre o momento atual da nação. É uma comédia (e das boas) que leva o eleitor americano a refletir sobre seu papel no futuro de seu país.

 

Você bem deve saber que nos EUA o voto não é obrigatório e apenas quem se registra (voluntariamente) pode votar.

 

Mas falando do filme... Costner é Bud Johnson, um preguiçoso pai solteiro que trabalha numa fábrica de ovos numa cidade próxima à divisa com o México – e por isso mesmo está ‘inundada’ por imigrantes do país vizinho. Bud e sua filha pré-adolescente são opostos. Enquanto ele odeia trabalhar, acordar cedo e ser responsável, ela é inteligente, estudiosa e apesar da pouca idade, é praticamente auto-suficiente.

Aliás, a confusão na vida da família começa quando justamente Bud foge de sua ‘responsabilidade’. Sua filha o registra para votar – já que ela acredita ser essencial o voto – mas por motivos que não valem dizer aqui para não perder a graça,  o voto de Bud não é computado. Então, de acordo com as leis de seu estado, ele poderá votar novamente. E pior: seu voto decidirá a eleição.

 

A partir daí ambos os candidatos à presidência se desdobram para convencer Bud a votar neles.

 

O interessante do filme é mostrar como a mídia interpreta uma entrevista, e como isso é usado a favor ou contra as pessoas certas. E também as dimensões que qualquer comentário ganha.

 

E para quem vai o voto de Bud, só poderemos saber assistindo ao filme, porque eu não vou contar aqui. Abraços e até a próxima!!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A ARTE DE JOSÉ LUIS GARCÍA-LÓPEZ

ELLEN ROCHE COMO LARA CROFT

ME SENTINDO COMO VAL KILMER - 2