Homem-Aranha 3 e o futuro...

Finalmente assisti ao terceiro capítulo da saga do Aranha no cinema. Realmente é o mais grandioso dos três, com mais efeitos, mais vilões, mais estilo e mais liberdade. Ah, e maior no tamanho também. São espantosos 140 minutos de filme – ultimamente os filmes não passam dos 95. Foi também o capitulo que mais rendeu: US$ 890 milhões.

Tudo continua de onde havia parado no filme de 2004. Peter Parker está de bem com a vida e com seu amor, Mary Jane. Para o Homem-Aranha as coisas também vão muito bem. Para MJ e Harry, porém, tudo cambaleia, já que a carreira artística da ruiva vai mal das pernas e Harry só pensa em vingança contra o (ex)melhor amigo.

Aí entram em cena o Flint Marko, o Homem-Areia e em seguida, Eddie Brock, o Venom. É legal a sacada que os caras usam para deixar Peter ‘emo’. J.J. Jameson continua com o humor de sempre, roubando a cena, assim como Bruce Campbell – aliás, está mais do que na hora de Sam Raimi voltar a acreditar em Campbell e escala-lo para algum filme. O cara é bom demais!!

Pra não contar muito – se é que alguém ainda não tenha assistido a esse filme – vamos dizer que Homem-Aranha 3 encerra com honras a saga do herói, sempre mantendo Mary Jane e Harry por perto, exatamente como tudo começou. Sam Raimi prova – mais uma vez – que é um diretor excepcional e dá uma surra em Bryan Singer em como homenagear os filmes do Superman (já que aquela cena do guindaste é feita sob medida pra homenagear a primeira aparição do Super, no longa de 1978).

Pro futuro...

Que Sam Raimi não volta a ocupar a cadeira de diretor dos filmes do Aranha, isso é fato, já que o próprio já declarou que voltará ‘apenas’ como produtor. Sendo assim, possivelmente o casal de astros, Tobey Maguire e Kirsten Dunst também não volta. Aí, abriria um bom caminho para uma possível ‘reimaginação’ do herói sem fugir da seqüência. Se eu tivesse a chance de escrever o roteiro de um Homem-Aranha 4 e ainda escolher elenco, faria o seguinte:

A história começaria alguns anos depois dos fatos ocorridos em HA 3. Peter está mais maduro e esperto, deixando de lado esse jeito pateta e nerd que Raimi criou pra ele. Ele está mais seguro de si, e já encara investigações e usa o cérebro, pra variar, coisa que não fez em sequer um momento durante toda a trilogia. Mary Jane por sua vez, conseguiu se dar bem como modelo e atriz em pequenos papéis hollywoodianos – aqui caberia uma ponta de Bruce Campbell como ator fracassado, mas que ainda se vê como astro. Flash Thompson, que pouco apareceu anteriormente, voltaria, mais maduro também, já que serviu ao exército durante a guerra do Golfo. Ele tentaria se reaproximar de Peter, ensaiando um mea culpa, já que ficou chocado com a morte de Harry Osborn.

Peter passa muito tempo com Tia May agora e, ao contrário de todo aquele drama, agora ele mantém sempre o bom-humor. Tia May, não querendo mais ver o filho sofrer por amor, tenta apresentar a sobrinha de sua vizinha. Peter, por sua vez, quer distância. Gwen Stacy continua em seu pé, querendo algo com ele, mas o rapaz está pulando fora, em parte por ainda pensar em MJ e em parte por não ter tempo mesmo para um relacionamento, já que esta indo bem na faculdade, tirando muitas fotos do Aranha pro Clarim e tentando ajudar a Tia May. Peter começa a se relacionar bastante com Flash Thompson e outros amigos clássicos dos quadrinhos. Flash fica encantado com Gwen.

Como Homem-Aranha, ele descobre que alguém roubou todo o material usado por Harry e seu pai, na época em que eram os Duendes Verdes. Surge então o Duende Macabro.

No Clarim, um novo jornalista-chefe é contratado: Ned Leeds. Logo ele e Betty Brant estão tendo um caso. Ned começa a investigar esses arrombamentos nas instalações Osborn também. Isso o aproxima bastante de Peter.

No meio disso tudo, Dr. Curt Connors tenta usar os répteis para descobrir uma forma de regenerar seu braço perdido. Acidentalmente ele se torna o Lagarto – segundo vilão da trama.

Peter finalmente é obrigado a se encontrar com a sobrinha da vizinha de Tia May. Liz Allen é seu nome e a moça é encantadora.

MJ por sua vez, está desfilando para uma grife famosa e também é garota-propaganda de uma grife de perfumes. O dono da grife adora Mary Jane e a seduz o tempo todo.

O Duende Macabro mesmo sem os poderes do Duende Verde investe bastante em Nova York e quer criar um Sindicato do Crime, para lavar dinheiro e ficar ainda mais rico, além de organizar o crime americano.

Em meio a isso tudo, Peter precisa descobrir quem é o tal Duende Macabro, sua ligação com os Osborns e porque Mary Jane corre perigo de vida, além de tentar a todo custo ajudar o Dr. Connors, sem prejudicar sua reputação como professor na universidade.

Sem contar que agora ele está entre três amores: Mary Jane, Gwen Stacy e Liz Allen.

Essa seria minha idéia. Minha fonte seria a fase de Roger Stern na vida do herói. Minha sugestão seria deixar o personagem mais maduro, investigativo, inteligente, bem-humorado e perdido entre as mulheres, como sempre foi (nos quadrinhos, claro!).

Meu elenco:
· Peter Parker - Jonathan-Rys Meyers, de Missão Impossível III e Match-Point.
· Mary JaneSienna Miller, de Stardust e .Uma Garota Irresistível.
· Liz AllenScarlett Johansson, de O Grande Truque e A Ilha.
· Ned Leeds – Guy Pearce, de Amnésia.
· Duende Macabro/Empresário do Perfume (quem leu a fase de Roger Stern sabe do que estou falando) - Frank Langella, de Mestres do Universo e Doce Novembro.
· Flash ThompsonSean Willian Scott, de Bem-Vindo À Selva e American Pie.

O elenco de apoio, em minha opinião, continuaria intacto.

Bom, foi legal a brincadeira. Se quiserem e puderem, mandem-me suas opiniões, ok?

Abraços!! E cuidem-se.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ELLEN ROCHE COMO LARA CROFT

A ARTE DE JOSÉ LUIS GARCÍA-LÓPEZ

ME SENTINDO COMO VAL KILMER - 2